Projeto Escola 1000 leva obras para 239 municípios paranaenses

Obras PRED Escola Estadual João Bettega

Obras PRED Escola Estadual João Bettega

O projeto Escola 1000, criado pela Secretaria de Estado da Educação, Fundepar e Casa Civil tem melhorado a estrutura física de colégios e mais de 239 municípios paranaenses já começaram a receber as melhorias. O Colégio Estadual João Bettega, em Curitiba é um dos participantes do Escola 1000 e conta com a revitalização do ginásio de esportes, troca do revestimento de pisos e telhados, além de melhorias na rede elétrica.

Matéria da Agência de Notícias do Paraná

239 municípios do Paraná já têm obras do Escola 1000

Até agora, 327 escolas da rede estadual já deram início aos reparos. Todos os mil colégios contemplados já receberam os recursos para as obras que só começam mediante conclusão dos projetos.

A Paraná Edificações, a Cohapar e a Paraná Educação estão fiscalizando, atualmente, 327 obras do projeto Escola 1000, idealizado pela Secretaria de Estado da Educação, Fundepar e Casa Civil. Criado para promover melhorias em 1000 escolas do Estado, de acordo com as definições da comunidade, o projeto visa melhorar a estrutura dos colégios, de acordo com as definições e escolhas dos serviços pela comunidade, em todas as regiões do Estado.

As obras do Programa atenderão 317 municípios paranaenses. Até agora, já estão sendo atendidos 239 municípios com investimentos que somam aproximadamente R$ 33 milhões. De acordo com a coordenadora do Programa, Evane Petla Mendes Dias, até o final do ano todas as obras das mil escolas já estarão inciadas. “Cada escola atendida pelo programa recebeu R$ 100 mil para realizar obras de reparos. À medida que os projetos são analisados, , as obras começam e são fiscalizadas pela estrutura do Estado. Nossa expectativa é que todas as obras em todas as escolas contempladas já estejam iniciadas até o final de 2017”, explica Evane.

PARANÁ EDIFICAÇÕES – A Paraná Edificações é a empresa paranaense que fiscaliza o maior número de escolas. São 247 até agora distribuídas entre os 14 escritórios regionais da Paraná Edificações. A regional com maior quantidade de serviços no momento é Curitiba, com 33 obras, seguido por Londrina e Cascavel (22) e Ponta Grossa (24). Continue lendo…

A.G

Colégios militares têm desempenho acima da média e ganham espaço

Alunos do Colégio Militar de Curitiba: referência - Foto: Henry Milleo / Gazeta do Povo

Alunos do Colégio Militar de Curitiba: referência – Foto: Henry Milleo / Gazeta do Povo

Com desempenho acima da média e a disseminação de disciplina nas atividades do dia a dia, as escolas militares têm chamado a atenção de quem busca bons resultados na educação. Além disso, as instituições contam com um grupo de professores responsáveis por fazer uma avaliação personalizada de cada aluno e os que apresentam problemas de aprendizagem podem ter reforço no contraturno.

Matéria da Gazeta do povo

Ordem em meio ao caos: escolas militares ganham espaço com bons resultados

Sistema atrai por disciplina e desempenho acima da média, mas não é unanimidade

Drogas, armas brancas e baixa aprendizagem são o prato do dia a dia das escolas de regiões vulneráveis no Brasil. Esse cenário não era diferente no Colégio Waldocke Fricke de Lyra, no perigoso bairro Tarumã, em Manaus, até a Polícia Militar assumir o controle da escola, em 2012.

Desde então, o quadro mudou completamente: seguindo a tradicional disciplina militar – que inclui farda obrigatória, gritos de guerra e proibição do uso de celulares, além da expulsão dos “incorrigíveis” –, o colégio tornou-se um lugar seguro e atingiu um patamar de qualidade acima da média nacional e de muitas escolas particulares. Em 2015, o Ideb do colégio, índice de desempenho medido pelo Ministério da Educação, foi de 7,7, do 1º ao 5º ano do ensino fundamental, e de 5,9, do 6º ao 9º ano (a média nacional nessas etapas foi de 5,5 e 4,5, respectivamente).

Essa história de sucesso não é a única no país, o que deixa os críticos do modelo com os cabelos em pé. Animados com essa performance, estados como Goiás já repassaram escolas públicas para a administração de militares – e estão satisfeitos com os resultados – e outros governos pensam seriamente em tentar esse caminho.

Além desses casos, há ainda a experiência bem-sucedida das 13 unidades do Sistema Colégio Militar do Brasil (SCMB), criadas pelo Exército preferencialmente para a educação dos filhos de integrantes das Forças Armadas, a maior parte delas entre as melhores instituições do país.

Mas qual é o segredo desses colégios? Continue lendo…

A.G